Prefeitura de São Paulo demite 70 funcionários no Hospital Municipal do Campo Limpo

Dentre os que perderam o emprego, 27 trabalhavam no pronto-socorro


Funcionários do Hospital Municipal do Hospital do Campo Limpo protestam na tarde desta quarta-feira (19) contra a terceirização dos serviços de saúde na unidade pela organização social do Hospital Albert Einstein.



Em meio à pandemia de Covid-19, a prefeitura de São Paulo demitiu 70 funcionários no Hospital Municipal do Campo Limpo, na zona sul da capital. Dentre os que perderam o emprego, 27 trabalhavam no pronto-socorro.


Segundo o representante do Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo (Sindsep-SP), Douglas Cardozo, grande parte dos funcionários estava trabalhando em contratos de emergência que estavam irregulares. “Muitos trabalhavam no hospital há 8 ou 12 anos e o contrato estava vencido há muito tempo”, conta.


O maior corte aconteceu entre os profissionais da área de enfermagem: 44 enfermeiros e auxiliares foram demitidos nos mais variados setores. Entre médicos, foram 14 demissões, dentre eles dez cirurgiões, dois ortopedistas, um psiquiatra e um clínico geral.


O pronto-socorro do Hospital do Campo Limpo perdeu um número significativo de profissionais. Oito dos dez cirurgiões trabalhavam no setor, assim como o clínico geral. Além disso, 16 enfermeiros do pronto-socorro e dois funcionários administrativos também foram desligados.


“Eram profissionais com experiência de anos na área de saúde”, explica o representante do Sindicato dos Servidores Municipais. Segundo ele, até o momento, não houve reposição da força de trabalho.


Em nota, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde, informou que “novas contratações já estão em andamento e o atendimento à população não será prejudicado”.


A prefeitura também disse que “o desligamento de alguns funcionários, que haviam sido contratados de forma emergencial atendendo à demanda do período, ocorreu no último dia 31 de dezembro” e que “eles estavam ligados à Autarquia Hospitalar Municipal, que foi extinta em agosto de 2020”.


Segundo a administração, os funcionários receberão seus vencimentos e/ou indenizações de acordo com o estabelecido nos contratos.


O Sindsep-SP também afirma que demissões de trabalhadores sob o regime de contrato emergencial aconteceram em outros três hospitais da capital: o Hospital Municipal do Jabaquara, o Hospital Municipal do Tatuapé e o Hospital Municipal da Mooca. A quantidade de profissionais desligados ainda está sendo apurada pela associação.



Câmara Municipal de São Paulo
Palácio Anchieta - Viaduto Jacareí, 100

10º Andar - Sala 1018 - CEP 01319-900
Tels.: (11) 3396-4294 / 3981

São Paulo - SP