Câmara de SP mantém máscara obrigatória até fim de março e fará transição em abril

Uso continuará sendo cobrado em espaços com lotação de mais de 50% da capacidade


A Câmara Municipal de São Paulo decidiu, em reunião de líderes nesta terça-feira (22), que manterá o uso obrigatório de máscaras em sua sede até 31 de março, quando vence o atual ato da Mesa Diretora que regula as medidas de combate à Covid-19 nos espaços do Legislativo.

A partir de 1º de abril, o uso de máscara continuará obrigatório em locais com grande ocupação, mas apenas recomendado nos demais.

Galerias e auditórios serão liberados completamente ao público, durante sessões ou audiência públicas. Quando a lotação desses locais passar de 50% da capacidade, o uso de máscara será necessário.



A medição de temperatura e a carteira de vacinação seguirão necessárias no acesso à Câmara.


"No transporte público, por exemplo, a máscara continua obrigatória. Então vamos garantir o mínimo de segurança aos visitantes e servidores da Casa quando houver lotação", diz o presidente da Câmara, vereador Milton Leite (União Brasil).

"Não estamos desrespeitando o decreto do governador [João Doria (PSDB-SP)]. Estamos fazendo uma transição cautelosa. A Câmara foi cuidadosa desde o começo da pandemia, não vamos jogar isso fora", afirma Leite.