Casos de sarampo em SP dobram em um mês e médicos alertam para importância da vacinação

Mesmo com restrição de circulação por conta da pandemia do novo coronavírus, vacinação contra outras doenças deve ser mantida

O número de casos de sarampo no estado de São Paulo subiu para 577 em abril, segundo dados do Ministério da Saúde. O valor é mais que o dobro do registrado em março, quando 280 casos da doença haviam sido contabilizados.

Do total de 577 casos no estado neste ano, 300 foram registrados na cidade de São Paulo, onde uma criança morreu.

Os médicos alertam da necessidade de que a vacinação seja feita no período adequado, já que o sarampo é uma doença altamente contagiosa e pode ser letal em crianças. No ano passado, o estado viveu um surto da doença com mais de 17 mil casos registrados e 14 mortes.

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a recomendação tem sido sair de casa apenas para o essencial. A vacinação é um desses compromissos que não podem ser adiados.

“As pessoas no momento estão preocupadas com a Covid e esquecem e não se atentam na verdade às outras doenças e a tudo que continua acontecendo independete do Covid, né? Por conta disso as pessoas também não têm procurado se vacinar”, afirma Adriana Peris, Coordenadora do Programa Municipal de Imunização.

A infectologista Maria Beatriz Dias também lembra que o sarampo é ainda mais contagioso que o coronavírus, mas que pode ser completamente evitado com a vacina. “Qualquer numero é preocupante. O sarampo, principalmente em crianças mal nutridas, de baixo peso, ou crianças muito pequenas, pode ser uma doença até fatal”, diz.

As vacinas contra o sarampo estão disponíveis o ano inteiro nas Unidades Básicas de Saúde. São necessárias duas doses para se proteger: quando a criança completa 12 meses e, a segunda, aos 15 meses. Durante a epidemia no ano passado, também passou a ser adotada a chamada dose zero, aplicada em crianças de com seis meses de idade.

Adultos de qualquer idade que não possuem as duas doses também devem procurar os postos de saúde para regularizar a situação vacinal.