contato

CÂMARA MUNICIPAL
DE SÃO PAULO

Palácio Anchieta 
Viaduto Jacareí, 100 - 10º andar - Sala 1018
CEP: 01319-900 | São Paulo-SP
Tels.: +55 11 3396-4919 / 4294 / 5116
Fax: +55 11 3396-3981

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Flickr Social Icon
  • Google+ Social Icon

Inflação da era temer é maior para os mais pobres

January 30, 2017

 

Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC),a chamada inflação da baixa renda, fechou o ano passado com resultado acumulado de 6,58%, acima da meta fixada pelo Banco Central; ao contrário, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2016 com alta acumulada de 6,29%, ficando abaixo do teto da meta de 6,5% fixada pelo Banco Central; indicador comprova que medidas econômicas adotadas por Michel temer e pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afetam sobremaneira as camadas menos favorecidas da população; no Twitter, Temer comemorou a inflação no centro da meta: 'Estamos com a inflação abaixo do teto da meta, o que mostra que o governo está no caminho certo', mas não comentou nada acerca do aperto sobre os mais pobres.

Nielmar de Oliveira, repórter da Agência Brasil - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) fechou o ano passado com resultado acumulado de 6,58%, acima da meta fixada pelo Banco Central. Ao contrário, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2016 com alta acumulada de 6,29%, ficando abaixo do teto da meta inflacionária de 6,5% fixada pelo Banco Central.

O INPC capta a variação inflacionárias das famílias de menor renda (entre 1 e 5 salários), enquanto o IPCA capta a renda dos que ganham até 40 salários. Os dados relativos ao INPC também foram divulgados hoje (11), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) juntamente com o IPCA.

Em dezembro, o INPC variou 0,14%, ficando 0,07 ponto percentual acima da taxa de 0,07% de novembro. O acumulado no ano (6,58%), no entanto, também ficou bem abaixo do que os 11,28% registrados em 2015. Em dezembro de 2015, o INPC foi de 0,9%.

Os produtos alimentícios variaram 0,05% em dezembro, depois de recuarem (-0,31%) em novembro. Já os produtos não alimentícios (0,18%) subiram menos do que em novembro (0,25%).

O INPC regional mais elevado foi o de Brasília (0,87%), onde os alimentos subiram 0,7%, bem acima do índice nacional (0,05%). O menor índice foi da região metropolitana de Curitiba (-0,15%).

O INPC, calculado pelo IBGE desde 1979, se refere às famílias com rendimento monetário de 1 a 5 salários e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

http://www.brasil247.com/pt/247/economia/274614/Infla%C3%A7%C3%A3o-da-era-Temer-%C3%A9-maior-para-os-mais-pobres.htm


Fonte: www.brasil247.com

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload